Pular para o conteúdo principal

Brasil: O Território

americadosulanimado

O Território
por Milton Santos com a colaboração de
Adriana Bernardes

O Brasil é o quinto país do mundo em superfície, com uma área total de 8.547.403,5 km2 e 175 milhões de habitantes. Com um Produto Interno Bruto (PIB) da ordem de R$ 1,32 trilhão, em 2002, é a nona economia mundial. É considerado um país continente pelo seu tamanho e diversidade do meio natural, à qual se somou, ao longo da história, uma diversidade étnica e cultural, devida aos aportes de outros continentes.

As atuais diferenças regionais do território brasileiro têm ainda um forte componente de dados naturais mas, nas últimas décadas, o elemento central da diferenciação é dado pelo crescente acréscimo de ciência e tecnologia ao território.

Durante séculos, o Brasil pôde ser comparado a um arquipélago. As áreas economicamente mais ativas e mais densamente povoadas estavam isoladas umas das outras, comunicando-se apenas por via marítima. O povoamento se concentrava no litoral e ao longo dos rios. Nas áreas mais distantes da costa - o sertão - uma população dispersa se ocupava da criação extensiva de gado e culturas de subsistência. Até meados do século XX, o estímulo para a ocupação econômica vinha, sobretudo, da demanda de produtos para o comércio exterior.

A primeira capital, Salvador, foi escolhida em 1549 por sua posição geográfica no "coração" de um país desarticulado. Seu desenvolvimento se deveu à primeira atividade agrícola de peso, a cana-de-açúcar, no Recôncavo Baiano e também na Zona da Mata do Nordeste.

Com a exploração do ouro e das pedras preciosas, a partir do século XVIII, novas regiões foram incorporadas à fronteira econômica: os atuais estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. As necessidades de escoamento e de fiscalização da produção mineral deram ao Rio de Janeiro - que se tornou a segunda capital da colônia, em 1763 - as condições de desenvolvimento, ampliadas com a chegada da família real portuguesa, em 1808.

O século XIX marca uma nova inflexão no processo de valorização do território, com o desenvolvimento, no Sudeste, da economia cafeeira. Associados a novas condições de transportes e comunicações, como a estrada de ferro, o telégrafo e o cabo submarino, emergem setores comerciais e bancários. Já no início do século XX, há uma relativa integração em torno do Rio de Janeiro e de São Paulo, mas suas relações com as demais regiões do país ainda não são muito frequentes nem significativas.

Com o desenvolvimento da indústria em São Paulo e seus arredores, esta cidade passa a ter um papel central na vida econômica do País, ampliado com o esforço empreendido, desde os anos 50, para equipar o espaço nacional e com a construção de Brasília, a nova capital do País desde 1960. Brasília é um marco no processo de interiorização, que agora se expande em direção do Centro-oeste e da Amazônia. A configuração territorial resultante vai novamente beneficiar São Paulo e a capital do estado firma-se como a metrópole econômica do País.

A partir dos anos 70, o território brasileiro passa por novas e significativas transformações. As principais bacias hidrográficas são aproveitadas para a produção de eletricidade. Modernizam-se os portos. Constroem-se algumas estradas de ferro orientadas para produtos especializados. A rede rodoviária se desenvolve com duas grandes marcas: de um lado, a construção de autopistas nos principais eixos de circulação e, de outro, estradas vicinais, sobretudo nas áreas de maior densidade econômica. Instala-se uma rede de telecomunicações, que alcança todos os municípios e, ao mesmo tempo, liga o País ao resto do mundo.

As condições estavam criadas para um processo sustentado de desenvolvimento econômico. A indústria conhece uma grande diversificação e inicia sua desconcentração. A agricultura se moderniza no Sul e no Sudeste e, em outras regiões, onde se destacam os estados do Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Bahia. A difusão da irrigação vai permitir ao Nordeste o aproveitamento agrícola intensivo de parte de suas terras.

Essas transformações são a base de uma nova fase da organização do espaço e da urbanização, fundada numa vida de relações mais extensa e mais intensa. Nos primeiros 450 anos de história européia do Brasil, o povoamento e a urbanização foram praticamente litorâneos. Hoje o Brasil é um país urbanizado, com uma taxa de urbanização superior a 75% e diversos níveis e tipos de cidades. Com a difusão do fenômeno urbano em todas as regiões, pode-se falar, desde os anos 70, em urbanização do território. Multiplica-se o número de cidades locais, onde a população encontra resposta às suas demandas primárias de consumo material e imaterial, como educação, saúde, informação e lazer. Criam-se numerosas cidades médias em todos os estados, interiorizando seletivamente elementos mais sofisticados da vida contemporânea.

Ao mesmo tempo, o processo de metropolização não é mais limitado ao Sudeste. Se o ritmo de crescimento urbano das cidades com mais de 1 milhão de habitantes diminui, o que pode ser associado à ideia de desmetropolização, ao mesmo tempo há o surgimento de novas grandes cidades. O processo migratório se intensifica, incluindo não apenas um movimento do campo para a cidade, mas também um êxodo urbano cada vez mais acentuado.

A região concentrada, formada pelos estados do Sul e do Sudeste e por parcelas do Centro-oeste, reúne o essencial da atividade econômica do país, mesmo que em todo o território, em maior ou menor proporção, se encontrem sinais de modernização. São Paulo mantém o seu papel de metrópole nacional, baseado em sua condição de centro informacional e não mais como centro industrial.

Fonte: http://www.mre.gov.br/cdbrasil/itamaraty/web/port/consnac/ocupa/apresent/index.htm - acesso em : 23/05/2008 19:01

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr