Pular para o conteúdo principal

Para que servem os mapas e os gráficos?

Para que servem os mapas e os gráficos?
Mapas e gráficos são essenciais no estudo da Geografia pela quantidade de informações que podem nos fornecer; são verdadeiras ferramentas de trabalho do geógrafo.
Por meio dos mapas podemos localizar pontos, determinar distâncias, estabelecer relações entre diversos fatos geográficos. Os mapas proporcionam informações tais como fluxo de transportes, migrações, fronteiras, localização de cidades, rios e montanhas.
Já os gráficos nos permitem representar, de forma visível, dados estatísticos sobre fenômenos naturais, questões demográficas e econômicas, e estabelecer comparações e relações entre eles. Também por meio da leitura e interpretação de gráficos, podemos conhecer muito sobre as características do clima, da população e do nível de vida dos países.

acge0402
Os mapas estilizados prestam-se
mais à ilustração jornalística

1. Tipos de mapas
Existem diversos tipos de mapas, como os topográficos, os temáticos, os gerais, os especiais e os estilizados. Conheça cada um deles:

1a. Mapas topográficos
Os mapas topográficos procuram representar o mais fielmente possível os elementos físicos que compõem o espaço, como o relevo, a vegetação, os rios, os meios de comunicação e de transporte. São os mapas de base sobre os quais são realizados estudos específicos, os chamados mapas temáticos.

1b. Mapas temáticos
São os mais utilizados em Geografia e, diferentemente dos mapas topográficos, servem para realizar o estudo espacial de um determinado tema (clima, distribuição da população, localização industrial, crescimento industrial etc.). Sua função é variada: a localização dos fenômenos, sua distribuição no espaço, a visualização das relações entre diversos fatos geográficos e as hierarquias que se estabelecem entre eles, por exemplo.

1c. Mapas gerais, especiais e estilizados
Os mapas gerais apresentam assuntos de interesse geral, como os de regiões, os de continentes e os planisférios.
Os mapas especiais destinam-se a determinados assuntos técnicos ou profissionais. Por exemplo, os mapas econômicos, as cartas náuticas e as aéreas.
Os mapas estilizados não têm preocupação com a forma ou o tamanho dos países, distorcendo as imagens de acordo com os elementos que se quer representar. São muito usados por jornais e revistas.

acge0403
Pirâmide de idades

2. Gráficos
Apresentar as informações de forma imediata e facilmente identificáveis é a principal função do gráfico. Para cada tipo de informação, há o gráfico mais adequado.

2a. Pirâmide de idades
Seu objetivo é representar a composição por sexo e idade de uma população em cada momento. Na base da pirâmide está representada a população jovem; no meio, a população adulta e, no topo, a população idosa.

2b. Gráfico de barras e setogramas
Muitas séries estatísticas podem ser interpretadas mais facilmente com a construção de gráficos. Graças a eles, a representação de dados é melhor compreendida.
Os gráficos de barras podem ser horizontais ou verticais, e a altura de cada barra é proporcional à quantidade representada. Os setogramas são gráficos circulares, em que cada setor representa uma informação.

acge0405
Gráfico de barras
acge0404
Setograma da população
residente no Brasil por região

 
acge0406
Campo Grande – Temperatura e
precipitação pluviométrica, 1984

2c. Climograma
É um tipo de gráfico, também chamado pluviotérmico, que permite estabelecer a relação existente entre a evolução mensal das temperaturas e das chuvas de um lugar concreto do planeta. Com isso, é possível caracterizar o tipo de clima desse lugar, encontrar a temperatura média e estabelecer o período de estiagem.

Fonte: publicado originalmente no site klickeducacao.ig.com.br (acessado em 01/06/2008)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr