Pular para o conteúdo principal

Região Norte

Norte Área – 3.869.637,9 km² (45,27% do território nacional).
Estados – Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia , Roraima e Tocantins.

CARACTERÍSTICAS
Ocupa uma extensa bacia sedimentar encravada entre o maciço das Guianas ao N, o planalto Central ao S, a cordilheira dos Andes a O e o oceano Atlântico a NO. Clima equatorial , com rios das bacias Amazônica, do Norte e do Tocantins . O relevo possui três patamares de altitude, definidos pelas cheias dos rios.
Igapós – Área de inundação permanente, com floresta do tipo caá-igapó, fechada e com espécies adaptadas para ficar com suas raízes sob a água.

Várzeas – Mais elevada e inundável apenas nas cheias dos rios, apresenta a mata das várzeas, cuja espécie mais característica é a seringueira.
Baixos platôs – Parte mais elevada e fora do alcance das cheias fluviais, tem como vegetação típica a mata caá-etê (ou mata dos firmes), com madeiras de lei e castanheiras.

POPULAÇÃO
Com 10.597.305 habitantes (7%), é a região de menor densidade demográfica , com 2,73 hab./km². A maioria da população é urbana (57,8%), e a metrópole regional é Belém.

OCUPAÇÃO
A ocupação, iniciada ao longo dos rios, concentra o povoamento nas margens. A partir da década de 60, a construção de rodovias como a Belém-Brasília, Transamazônica, Cuiabá-Santarém e Marechal Rondon facilita a interiorização. A distribuição de terras para o assentamento rural atrai migrantes, que ocupam as margens das estradas dando início ao acelerado processo de desmatamento. Nos anos 80 o governo oferece incentivos fiscais para grandes projetos agropecuários, que devastam extensas áreas para formação de pastagens. O manejo incorreto do solo, a ocupação indiscriminada e a poluição química dos garimpos provocam grande dano ambiental. Também são graves os conflitos de terra entre garimpeiros e indígenas, que têm causado inúmeras mortes na região .

ECONOMIA
Baseia-se no extrativismo vegetal (látex , açaí, madeiras, castanha) e mineral (garimpos de ouro , diamantes, cassiterita, estanho), além da exploração de minérios em grande escala, como na serra dos Carajás, PA (ferro), e serra do Navio, AP (manganês). O maior problema para o desenvolvimento é a falta de infra-estrutura energética: a única grande usina é Tucuruí, no rio Tocantins (PA), leste da região. As demais usinas são pequenas – como Balbina, no rio Uatumã (AM), e Samuel, no rio Madeira (RO) – e atendem parcialmente à parte oeste da região. O abastecimento depende de geradores movidos a óleo diesel, combustível de alto custo. Na época das cheias, só alguns trechos das estradas são trafegáveis, e há apenas duas ferrovias, ambas para escoar minérios: a E.F. Carajás, de Marabá (PA) a São Luís (MA), leva o ferro de Carajás para os portos de Itaqui e Ponta da Madeira, e a E.F. do Amapá transporta o manganês extraído na serra do Navio até o porto de Santana, em Macapá (AP).
Suframa – Superintendência da Zona Franca de Manaus, prevê incentivos fiscais para instalação de parque industrial baseado principalmente em montadoras de produtos eletrônicos.


Amazônia Legal
Região compreendida pela totalidade dos estados do Acre, do Amapá, de Amazonas, do Pará, de Rondônia e de Roraima e parte dos estados do Mato Grosso, de Tocantins e do Maranhão. A região engloba uma superfície de aproximadamente 5.217.423 km², correspondente a cerca de 61% do território brasileiro. Foi instituída com o objetivo de definir a delimitação geográfica da região política captadora de incentivos fiscais com o propósito de promoção do seu desenvolvimento regional.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr