Pular para o conteúdo principal

Presidente da Capes no governo FHC, professor Abílio Neves reassume o cargo

O professor Abílio Afonso Baeta Neves foi nomeado hoje (10) presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).  A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União. O professor volta a assumir a agência que presidiu de 1995 a 2003.

Baeta Neves é formado em ciências sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e doutor em ciência política pela Westfälische Wilhelms Universität, de Münster, na Alemanha. Também foi pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação da UFRGS (1988-1992), secretário da Regional Sul da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), de 1994 a 1995, e secretário de Educação Superior do Ministério da Educação (1996-2000).

Atualmente, ocupava o cargo de diretor-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs), onde também já havia sido diretor-presidente e científico entre 1987 e 1990. O ex-presidente da Capes, Carlos Nobre, foi exonerado no último dia 7 de junho.

A Capes é uma fundação do Ministério da Educação (MEC), que tem como função a expansão e consolidação da pós-graduação stricto sensu (mestrado e doutorado) em todos os estados da Federação. Atua também na formação de professores da educação básica ampliando o alcance de suas ações na formação de pessoal qualificado no Brasil e no exterior.

Assim como Neves, outros nomes da gestão de Fernando Henrique Cardoso retornaram ao Ministério da Educação (MEC), entre eles, a secretária executiva Maria Helena Guimarães de Castro, que foi presidenta do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) entre 1995 e 2001, e a educadora Maria Inês Fini, atual presidenta do Inep. Entre 1996 e 2002, no governo de FHC, Maria Inês atuou no Inep como diretora de Avaliação para Certificação de Competências.

Fonte: EBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr