Pular para o conteúdo principal

[Para discutir] Mercosul

Países adiam decisão sobre Venezuela assumir presidência do Mercosul

Por falta de consenso, os países fundadores do Mercosul adiaram para quinta-feira (14) a decisão sobre quem vai presidir o bloco regional nos próximos seis meses. A Venezuela, que aderiu ao bloco há quatro anos, deveria assumir a presidência pro-tempore nesta terça-feira (12). Os governos paraguaio e brasileiro consideram que o país não está em condições de presidir o bloco neste momento.

“Para o governo do Brasil, está claro que existe um problema de política na Venezuela”, disse o subsecretário da América do Sul, Central e do Caribe do Itamaraty, embaixador Paulo Estivallet. “Existe um problema que coloca em dúvida se, neste momento, as credenciais [da Venezuela] para assumir a presidência [rotativa do Mercosul] são as esperadas”, acrescentou. Estivallet representou o Brasil na reunião de chanceleres, realizada hoje (11) no Uruguai – país que atualmente ocupa a presidência pro-tempore do Mercosul. Pelas regras, a cada seis meses um país ocupa a presidência do bloco, seguindo ordem alfabética.

Segundo o Itamaraty, o governo venezuelano não está capacitado para assumir a liderança do bloco, porque ainda não concluiu o processo de adesão. Para tanto, o país teria que incorporar cerca de 500 normas de integração até meados de agosto – algo que dificilmente conseguirá fazer em um mês. Neste momento, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, enfrenta uma inflação anual de três dígitos, desabastecimento e saques – além da mobilização da oposição de convocar um referendo revogatório, que pode destituí-lo. O governo uruguaio já manifestou que está disposto a entregar a presidência do bloco à Venezuela – mas como persistem diferenças de opinião entre os quatro países fundadores e qualquer decisão precisa ser tomada por consenso – ficou decidido que haverá outra reunião para discutir o tema. Entre os integrantes do bloco regional, o Paraguai é o maior crítico da Venezuela e defende que o país deve sofrer sanções, pois houve uma ruptura democrática.

Fonte: EBC

O Paraguai argumenta que Maduro está sendo acusado de perseguir e prender líderes oposicionistas. E a cláusula democrática estabelece que todos os membros do bloco regional precisam respeitar os direitos humanos. “Temos grandes desafios para enfrentar no próximo semestre e o país que nos representa tem que ter as credenciais adequadas”, disse o chanceler do Paraguai, Eladio Loizaga, ao final da reunião. E o respeito aos direitos humanos, disse o chanceler, é uma das condições para a permanência de um país no bloco regional.

O Paraguai já foi suspenso do bloco em 2012, após a destituição do então presidente Fernando Lugo e só foi readmitido como membro pleno após a realização de novas eleições presidenciais. O processo “relâmpago” no Congresso, que levou à saída de Lugo, foi considerado um golpe de Estado pelos governos da região. Enquanto o Paraguai estava afastado, sem voz nem voto no bloco, o Mercosul admitiu a entrada da Venezuela como quinto membro.

A Argentina tem uma posição ambígua. Ao contrário de sua antecessora, Cristina Kirchner, que tinha fortes laços de amizade com o governo venezuelano, o presidente Mauricio Macri sempre criticou Maduro. Ele chegou a propor a suspensão da Venezuela do Mercosul, até que Maduro aceitasse liberar os líderes oposicionistas presos. Mas o governo argentino moderou o tom, depois de lançar a candidatura da chanceler Susana Malcorra à Secretaria-Geral da Organização das Nações Unidas.

Apesar de não ter sido convidada para a reunião no Uruguai, a chanceler venezuelana Delcy Rodriguez viajou a capital, Montevideú, para acompanhar de perto os debates. Em entrevista à imprensa, ela criticou os representantes do Brasil e do Paraguai “que se esconderam no banheiro para não dar as caras”, após ter recebido um relato sobre o encontro.

Ao mesmo tempo, Delcy Rodriguez anunciou que a Venezuela iria assumir a presidência do Mercosul, porque houve um acordo para respeitar as regras estabelecidas do bloco a esse respeito, “sem qualquer tipo de condicionamento”. Mas o chanceler do Uruguai, Nin Novoa, deixou claro que a reunião terminou com impasse. E que uma decisão definitiva só podera ser tomada quando houver um consenso. “Não sei se haverá [consenso] até quinta-feira, ou na quarta-feira, ou na terça-feira ou na semana que vem”, disse Novoa. “Mas estamos trabalhando para encontrar uma solução que satisfaça a todos”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…