Pular para o conteúdo principal

Iniciativas de educação não-tradicional crescem no Brasil


"Está acontecendo hoje, no Brasil, um movimento de repensar a Educação e as estruturas da escola, de repensar que educação queremos e de que forma ela vai acontecer”, afirma a administradora e pedagoga Tathyana Gouvêa da Silva Barrera, que defendeu seu doutorado sobre o movimento brasileiro de renovação educacional no primeiro semestre deste ano, na Faculdade de Educação da USP.



O movimento descrito por Tathyana é caracterizado pela ruptura com as estruturas burocráticas da educação moderna, conhecida como educação tradicional.



Os novos métodos de educação propõem a quebra com este padrão, estabelecendo novos tempos, espaços e relações de poder e saber, rompendo com a atual fragmentação e a hierarquização do conhecimento.



Segundo Tathyana, as mudanças na estrutura da escola acontecem por “uma outra compreensão do ser humano, que não é só um ser humano racional para executar funções, mas um ser humano criativo, empático, que tem habilidades e aptidões”.

Influências pedagógicas

Através da iniciativa de educadores, fundações, startups e da cobertura feita por diversas mídias, escolas públicas e privadas são influenciadas por novas práticas educativas inspiradas por pedagogias como a de Freinet, Montessori e Waldorf, e também conseguem consolidar seus métodos próprios após anos de trabalho.

A Emef Desembargador Amorim Lima e a Emef Campos Salles, por exemplo, se basearam na metodologia utilizada na Escola da Ponte, fundada na década de 1970, em Portugal, que, por sua vez, se inspirou em Freinet para desenvolver seu próprio método.

Em ambas escolas, os alunos se organizam em grupos para desenvolver projetos orientados por roteiros de estudos, sem a tradicional divisão de aulas ministradas em 50 minutos nem disciplinas desconectadas.



Iniciativas privadas também enxergam a necessidade de repensar a educação. Na última edição do maior evento sobre tecnologia do mundo, o Instituto Campus Party apresentou uma nova proposta de projeto tecnológico a serviço do futuro. Por um dia, o palco principal do evento foi destinado a discutir a educação e contou com a presença de teóricos internacionais que aliam a tecnologia ao desenvolvimento humano.

Guy Vardi, CEO da Matific, uma empresa desenvolvedora de jogos matemáticos para crianças, criticou como a educação é encarada como commodity. O executivo trouxe pesquisas que atestam como o cérebro é pouco estimulado durante uma aula expositiva e como o contrário acontece quando a pessoa aprende participando ativamente no processo de aprendizagem.




Na Inglaterra, uma professora pediu aos alunos que reescrevessem Shakespeare no Twitter. De acordo com a professora, trazendo a narrativa para a realidade deles, eles realmente compreenderiam os sentimentos das personagens e a filosofia do autor.

Recentemente, com o mesmo intuito, uma educadora chilena virou notícia por instruir os alunos a contarem Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez, através de memes da internet.

“Essas escolas não se organizam de um único modo, elas estão se contrapondo de várias maneiras à escola tradicional. Algumas, usando tecnologia, outras, se aproximando mais da natureza ou trazendo a gestão democrática para todas as instâncias de decisão”, informa Tathyana. “Todas são tendências que rompem com a escola tradicional, cada uma a seu modo. Não existe um novo método que está substituindo o antigo”, completa.

Até abril deste ano, o MEC encontrou 178 escolas não-tradicionais distribuídas pelo território nacional. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB) garante a existência desses projetos, estabelecendo a autonomia das escolas e apresentando a democracia como principio norteador das práticas educacionais no Brasil, o que segundo Tathyana, somente uma escola que ofereça uma educação integral e olhe para sua comunidade será capaz de cumprir.



Fonte: EBC - CREATIVE COMMONS - CC BY 3.0

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…