Pular para o conteúdo principal

[Para discutir] Mercosul em sala de aula





Um requerimento de voto de aplauso ao governo brasileiro pela decisão de não reconhecer a presidência da Venezuela no Mercosul causou polêmica na sessão plenária de ontem. 

Após questionamento de Gleisi Hoffmann (PT-PR), a votação do requerimento, apresentado por José Aníbal (PSDB-SP), foi adiada por não constar da pauta. 

A presidência do Mercosul é exercida de modo rotativo, em mandatos de seis meses, por seus cinco membros: Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela. No fim de julho, encerrou-se o mandato do presidente do Uruguai, Tabaré Vazquez, que passaria o cargo ao presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. 

Brasil, Argentina e Paraguai, no entanto, opuseram-se à transmissão do cargo a Maduro, criando um impasse que segue sem solução. A alegação dos três países é de que a Venezuela vive um momento de turbulência e registra violações das regras democráticas. 

Aníbal afirmou que a decisão do governo brasileiro está de acordo com os instrumentos jurídicos do Mercosul. O senador citou, também, relatórios sobre possíveis violações de princípios democráticos e direitos humanos na Venezuela. Ronaldo Caiado (DEM-GO) acrescentou que a Venezuela, ao contrário dos demais membros do Mercosul, é convidada no bloco. 

Já Roberto Requião (PMDB-PR) criticou a postura do governo interino de Temer e citou notícia de que o ministro das Relações Exteriores, José Serra, teria tentado “comprar o voto” do Uruguai contra a presidência da Venezuela. Ele mencionou declaração do chanceler uruguaio, Rodolfo Nin, reproduzida pelo jornal El País, indicando que Serra teria dito que, se o Uruguai não transmitisse o cargo à Venezuela, poderia obter benefícios em negociações comerciais com países da África e o Irã. 

— Serra conseguiu um atrito com o Uruguai tentando negociar um voto, o que é uma vergonha absoluta para a história da chancelaria brasileira. Quero, como presidente da Delegação Brasileira no Parlasul [Parlamento do Mercosul], pedir desculpas ao Uruguai — disse Requião. 

Política externa 

Aécio Neves (PSDB-MG) defendeu Serra, a quem elogiou por estar mudando a condução da política externa, “fazendo jus inclusive à tradição histórica brasileira, violentada ao longo dos últimos anos por uma condução absolutamente equivocada”. 

Relatando ter entrado em contato com Serra durante a sessão, Tasso Jereissati (PSDB-CE) disse que o chanceler desmentiu enfaticamente a notícia publicada pelo jornal uruguaio. 

Fátima Bezerra (PT-RN) acusou Serra de promover a “internacionalização do golpe” (referindo-se ao afastamento de Dilma) contra as regras democráticas. Lindbergh Farias (PT-RJ) também acusou Serra de “ideologizar” as relações internacionais e desrespeitar o princípio da autodeterminação dos povos. 

Magno Malta (PR-ES) aplaudiu a atitude do governo brasileiro contra Maduro, relembrou atritos anteriores com os países vizinhos e disse que Lula e Dilma cederam aos interesses da Venezuela e da Bolívia.

Fonte: Jornal do Senado, Brasília, quarta-feira, 17 de agosto de 2016.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…