Pular para o conteúdo principal

Alfabetização Midiática

Para Unesco, a capacidade de usar ferramentas de comunicação, entender o papel da mídia e aproveitar a tecnologia de forma crítica deve ser ensinada aos jovens na escola


Capacitar os jovens para o uso crítico das novas tecnologias e para a produção de conteúdo é um caminho necessário ao fortalecimento do uso livre e democrático da mídia. A opinião é do jamaicano Alton Grizzle, da Divisão de Liberdade de Expressão e de Desenvolvimento da Mídia da Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco). Ele participou ontem do Seminário sobre Educação Midiática e Informacional no Brasil, promovido pelo Conselho de Comunicação do Congresso.



Segundo Grizzle, todo cidadão precisa desenvolver habilidades e competências para entender o papel da mídia e ser capaz de utilizar ferramentas de comunicação para articular processos de desenvolvimento e mudança social. A Unesco recomenda que a alfabetização midiática e informacional (AMI) seja incorporada nas escolas.

— Vemos agora uma mudança muito radical no que era o jornalismo tradicional. Agora nós temos o cidadão jornalista, que cria a informação e a coloca em tempo real. Então, é importante que esses jovens tenham as competências adequadas. Através da alfabetização midiática, podemos empoderar o cidadão.

Também participaram do seminário as estudantes Clarice Villarim e Maria Eduarda Silva de Oliveira, de escolas de São Paulo. As duas apresentaram os resultados de um trabalho conjunto de “prática educomunicativa pioneira” de análise e produção midiática. Os alunos produzem vídeos, áudios e textos, além de oficinas de análise de mídia. Segundo Clarice, a iniciativa tem dado maior protagonismo aos estudantes. Maria Eduarda observou que a integração de tecnologias ao aprendizado tem deixados os estudantes mais motivados.

Política pública 

Hoje apenas 4 milhões, dos mais de 38 milhões de estudantes que frequentam escolas públicas, estão envolvidos com alguma atividade relacionada a comunicação e tecnologias, de acordo com Sandra Zita Silva Tine, assessora técnica do Ministério da Educação.

Para Raquel Paiva, do Laboratório de Estudos em Comunicação Comunitária da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e Ismar de Oliveira Soares, presidente da Associação Brasileira de Pesquisadores e Profissionais em Educomunicação e integrante do conselho, está na hora de o país avançar em uma política pública sobre alfabetização midiática e informacional.

— Quem sabe a partir de agora nós tenhamos a oportunidade de dialogar com o MEC, com o Senado e com a Câmara dos Deputados para podermos avançar, com passos bem dados, em torno da execução desse direito: o direito de 45 milhões de crianças e jovens do Brasil terem acesso a essa prática, a esse conhecimento. Isso será muito bom para a mídia, para os profissionais, para os educadores e, especialmente, para os jovens — disse Soares.

Retransmissoras 

O Conselho de Comunicação decidiu encaminhar ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações questionamentos a respeito da situação das retransmissoras de televisão no Brasil. As respostas da pasta embasarão um relatório do colegiado.

Em reunião de ontem, os conselheiros manifestaram preocupação com a saturação do espectro, que tem sido ocupado por um número grande de emissoras retransmissoras, que precisam cumprir menos exigências do que as emissoras geradoras. Com isso, a oferta de conteúdo acaba limitada.

Liliana Nakonechnyj, da representação dos engenheiros no conselho, relatou que o problema é agravado pela preferência dada às empresas de telecomunicação (telefonia e internet). Em algumas áreas, há congestionamento do espectro, e grande parte dele foi retirado da radiodifusão e passado para as telecomunicações, afirmou.

Fonte: Jornal do Senado, Brasília, terça-feira, 8 de novembro de 2016

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…