Pular para o conteúdo principal

[Para Discutir] Meio ambiente - Gás de xisto

Gás de xisto pode ser explorado com redução de impacto, diz especialista

Especialista em recursos energéticos não convencionais relatou práticas utilizadas pelos Estados Unidos para minimizar os riscos ao meio ambiente



A exploração de gases naturais não convencionais, como o gás de xisto, apresenta riscos ao meio ambiente, mas cada país precisa desenvolver práticas para tornar menores os impactos, disse o professor Joseph Figueiredo, do Bureau de Recursos Energéticos dos Estados Unidos. Ele apresentou uma palestra ontem na Comissão Senado do Futuro.

A exploração do gás de xisto (ou gás de folhelho) é feita por fraturamento hidráulico, em que água é misturada a elementos químicos para fragmentar rochas sedimentares. Esse processo apresenta riscos ambientais como contaminação das águas subterrâneas, do lençol freático e do solo; emissões de metano (que podem trazer danos à camada de ozônio) e ativação de falhas geológicas (que podem provocar terremotos).

Segundo o professor, no entanto, o desenvolvimento tecnológico e a experiência podem diminuir esses impactos. Entre as práticas para isso, estão o uso de água imprópria para o consumo, em vez de água potável, e o monitoramento de atividades sísmicas.


— Também se procura limitar as emissões de metano fugitivo durante o processo, medindo a qualidade do ar antes e depois da perfuração dos poços, investindo no selamento de poços e usando equipamento de infravermelho para saber se o metano está escapando e de onde.

Também é preciso informar a população das áreas envolvidas sobre como o governo está lidando com a questão. Um dos maiores desafios, segundo Figueiredo, é o engajamento com a comunidade.

Brasil 

O consultor do Senado Luiz Bustamante, especialista em mineração, apontou um grande potencial na área de gases não convencionais no Brasil. Segundo ele, estudos estimam que o país tem a décima maior reserva de xisto do mundo e há possibilidade de que a reserva seja ainda maior.

Esse potencial, no entanto, não é explorado. O último leilão da Agência Nacional do Petróleo (ANP) para a exploração de xisto foi alvo de contestações na Justiça, devido aos possíveis danos ao meio ambiente.

— É uma grande riqueza, que pode gerar renda, emprego, recursos para os estados e municípios que estão em crise fiscal severa. Também possibilitaria a industrialização de áreas no interior — ponderou.

Fonte: Jornal do Senado, Brasília, terça-feira, 29 de novembro de 2016




Gás de xisto no mundo. Imagem: wikipedia

O gás de xisto ou gás não-convencional é um gás natural encontrado no interior de um tipo poroso de rocha sedimentar denominado xisto argiloso. Basicamente, possui a mesma composição química do petróleo, porém seu invólucro e modo de produção são diferentes.



Comprimido no interior da rocha sedimentar porosa, o gás de xisto é explorado através de uma tecnologia denominada fraturamento hidráulico: uma técnica que utiliza as fraturas produzidas pela alta pressão hidráulica e introdução de água, areia e uma mistura de produtos químicos, sendo alguns tóxicos, no interior do reservatório, o que permite que o gás flua e seja extraído. Tal precisão requer uma tecnologia avançada para perfurar e estimular (fraturar) as zonas que englobam o gás.

A extração do gás de xisto é polêmica, pois o processo de fraturamento hidráulico pode gerar contaminação de lençóis freáticos e da água potável que os cidadãos consomem. O risco ambiental envolvido na extração do gás, que ocorre com a utilização de uma mistura tóxica de aproximadamente 600 produtos químicos, é considerável, e não há estudos que comprovem que a tecnologia usada na extração não ofereça riscos. O re-fracking, um aperfeiçoamento dessa técnica, é visto como alternativa ambientalmente segura para a exploração de gás de xisto e outros combustíveis fósseis.

Fonte: Wikipedia - Este texto é disponibilizado nos termos da licença Creative Commons - Atribuição - Compartilha Igual 3.0

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…