Pular para o conteúdo principal

Brexit: uma relação terminada por carta


Imagem: Pixabay

Theresa May, primeira-ministra do Reino Unido, disse que invocará o povo britânico a se unir com ela para o início efetivo de um processo de dois anos até que o Reino Unido deixe definitivamente a União Europeia rompendo com uma relação política que já dura 44 anos.



Uma carta assinada pela primeira-ministra Theresa May será entregue em mãos ao presidente do Conselho Europeu - enquanto ela sobe em Westminster para entregar uma declaração aos deputados, sinalizando o fim da associação diplomática mais significativa do Reino Unido desde o final do segunda Guerra Mundial.


O grande desafio dessa saída história de um importante país de um dos mais importantes blocos econômicos mundiais é a manutenção da união nacional em relação à assumida posição de saída.

O Brexit respeita a decisão do público britânico, uma decisão democrática ainda não bem aceita por aqueles que opinaram pela continuidade do Reino Unido na União Europeia. A ação histórica que começou formalmente o processo Brexit, seguindo referendo de junho de 2016, continua a lançar velhas figuras políticas uns contra os outros como a ferocidade do debate mostra nenhum sinal de diminuir.

O Reino Unido vai mudar como resultado. A questão é como ... Não há como prever os resultados práticos dessa saída para o povo britânico, para os europeus e para o resto do mundo.

O que se sabe é que será considerado um grande fracasso nacional de proporções históricas se o primeira-ministra voltar de Bruxelas sem ter uma proteção assegurada de empregos e padrões de vida para o Reino Unido.

A primeira questão a ser colocada na mesa de negociação estará provavelmente ligada ao estatuto dos cidadãos da UE que vivem no Reino Unido e cidadãos britânicos que vivem no continente, com alguns sugerindo que a primeira-ministra poderia definir 29 março de 2017 data da assinatura da saída como um dia de corte para quando as pessoas terão seus direitos protegidos.

No entanto, a primeira-ministra já recebeu avisos de que o Parlamento Europeu irá vetar qualquer acordo do Brexit que impeça os cidadãos da UE que se deslocam para o Reino Unido nos próximos dois anos de ter seus direitos protegidos.

Seja qual for a situação, a saída da Grã-Bretanha da UE é esperada para se consolidar até o final de março 2019, pondo fim a uma associação que remonta a Janeiro de 1973 e já foi aprovado pelo público em um referendo em 2016.

Alguns esperam que o Brexit ainda possa ser evitado se May falhar na elaboração de um acordo positivo para o Reino Unido o que poderia levar à uma derrota na próxima eleição geral.

Alguns especialistas em União Europeia, ao analisarem o artigo 50, dizem que o processo é reversível, embora o governo deixou claro que acredita que o “ponto de não retorno” para o Brexit já passou.

E você caro leitor? Qual sua análise sobre essa saída? Deixe nos comentários sua opinião. Vamos socializar! 😉

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas. Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais. População da Rússia Densidade demográfica 8,8 hab/km² Homens 66.644.047 habitantes Mulheres 76.812.871 habitantes População residente em área rural 26,08 % População residente em área urbana 73,92 % População total 143.456.918 habitantes Taxa bruta de mortalidade 15 por mil Taxa bruta de natalidade 12 por mil Taxa média anual do crescimento da população 0,042 % População do Canadá Densidade demográfica 4 hab/km² Homens 17.826.268 habitantes Mulheres 18.113.659 habitantes População residente em área rural 18,35 % População residente em área urbana 81,65 % População total 35.939.927 habitantes Taxa bruta de mortalidade 8 por mil Taxa