Pular para o conteúdo principal

Estado é omisso quanto aos direitos dos índios, denuncia ex-presidente da Funai

Para Antônio Fernandes Costa é preciso parar de tratar a Funai como um 'balcão de negócios'Edilson Rodrigues/Agência Senado

Durante a audiência o senador Paulo Paim (PT-RS) lembrou ainda que a União Europeia estuda a adoção de barreiras humanitárias na importação de produtos primários brasileirosPedro França/Agência Senado


O país precisa de uma política de Estado voltada para os direitos humanos e o desenvolvimento econômico das populações indígenas, parando de tratar a Fundação Nacional do Índio (Funai) como um "balcão de negócios", disse nesta segunda-feira (26) o ex-presidente do órgão, Antonio Fernandes Costa, em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH).
Respondendo a representantes de movimentos sociais, Costa afirmou que ONGs internacionais sérias atuam nas parcerias em políticas públicas voltadas aos índios, e isso ocorre devido à omissão do Estado em cumprir seu papel.
Para ele, uma das grandes omissões se dá no âmbito do Ministério da Agricultura, que no entender dele é 100% voltado aos interesses do agronegócio, e não desenvolve uma única política destinada à agricultura familiar indígena.
— O que este Ministério faz pra desenvolver as terras indígenas que são produtivas, para que haja sustentabilidade naquelas terras? É zero de investimentos, no máximo emendas parlamentares — disse o ex-presidente da Funai, segundo o qual, durante sua gestão, ouviu de representantes de governos estrangeiros o interesse de investir na estruturação do atendimento à pauta indígena, mas que não o fazem porque no país "não existe nenhuma política de fato".
Costa informou que, enquanto esteve no governo federal, alertou para esta situação. Ele disse que o corte de investimentos da Noruega da ordem de R$ 200 milhões por ano para o Fundo da Amazônia já é uma consequência da omissão do estado brasileiro. Ele afirmou ainda que, no cargo de presidente da Funai, durante os primeiros meses do governo Temer, percebeu o profundo grau de sucateamento deste órgão, com prédios em péssimas condições de salubridade para seus servidores, além de tratores e viaturas paradas por falta de manutenção básica. Esta ausência de estrutura também contribui para uma fiscalização ainda falha quanto à aplicação de recursos provenientes de parcerias com as ONGs internacionais.

Funai sucateada

Costa avalia que o processo de sucateamento da Funai iniciou durante o governo Dilma, devido a acordos com a bancada ruralista, e que aprofunda-se durante a gestão Temer. Ele creditou sua demissão por ter resistido a indicações políticas para indicações a diretorias da Funai, principalmente na área de finanças. Costa denunciou "uma forte pressão" do líder do governo no Congresso, deputado André Moura (PSC-SE).
— A atual situação é desastrosa na área indígena e pode criar sérios conflitos sociais, devido a esta ingerência política — acrescentou Costa, para quem o objetivo ainda não-declarado do governo é desmantelar definitivamente o órgão.
Ele lembrou que 25 superintendências e secretarias da Funai já foram extintas, e que os cortes orçamentários já criam um "cenário trágico", uma vez que as verbas disponíveis para as atividades do órgão só cobrem até o mês de julho. Fez ainda uma menção ao comunicado do governo, que creditou sua demissão à "falta de competência gerencial".
— Se ser incompetente é não concordar com malfeitos, então serei sempre incompetente — afirmou. Citou ainda a pressão que sofreu do ex-ministro da Justiça, Osmar Serraglio, para que não cumprisse um termo de ajustamento de conduta (TAC) firmado com o Ministério Público em Mato Grosso do Sul referente à conflitos agrários.
Durante a audiência o senador Paulo Paim (PT-RS) lembrou ainda que a União Europeia estuda a adoção de barreiras humanitárias na importação de produtos primários brasileiros, o que também seria uma reação às políticas do governo Temer na área rural. (Fonte: Agência Seando).
O texto acima pode ser usado como entrada para uma discussão em sala de aula sobre a questão indígena no Brasil. O foco central está nas políticas públicas de responsabilidade do Estado Brasileiro para com as minorias e os povos indígenas.
Compartilhe o resultado de suas discussões em sala de aula aqui em nosso blog (use os comentários loga abaixo) pois isso poderá ajudar outros professores no desenvolvimento deste tema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas. Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais. População da Rússia Densidade demográfica 8,8 hab/km² Homens 66.644.047 habitantes Mulheres 76.812.871 habitantes População residente em área rural 26,08 % População residente em área urbana 73,92 % População total 143.456.918 habitantes Taxa bruta de mortalidade 15 por mil Taxa bruta de natalidade 12 por mil Taxa média anual do crescimento da população 0,042 % População do Canadá Densidade demográfica 4 hab/km² Homens 17.826.268 habitantes Mulheres 18.113.659 habitantes População residente em área rural 18,35 % População residente em área urbana 81,65 % População total 35.939.927 habitantes Taxa bruta de mortalidade 8 por mil Taxa