Pular para o conteúdo principal

Como é dividida uma fronteira?


Foto: Abril Comunicações S.A.
Com um consenso entre os vizinhos. Em geral, acidentes geográficos marcam a  fronteira que aparece nos mapas. O motivo  é  prático: montanhas, rios, lagos  e  braços de mar servem para dividir territórios com mais segurança  e  dificultam as tentativas de invasão. Divisas lineares,  como  as que existem nos Estados Unidos, no Canadá  e  em boa parte da África, são exceções estabelecidas por motivos políticos  e  burocráticos. Ao longo da história, nenhuma divisa se mostrou definitiva. Todas elas, em algum momento, mudaram, porque até o século 20 os limites entre países  e  estados eram amplamente ignorados – invadir um território poucas vezes causava  uma  crise. Hoje essa farra  é  mais contida, pois há órgãos internacionais,  como  a ONU  e  o Tribunal de Haia, para solucionar impasses  e  conter ânimos exaltados.

Marcos territoriais
Os acidentes geográficos mais comuns para demarcar fronteiras – e algumas disputas em torno deles

Rios
Definem parte considerável das fronteiras. Na guerra, têm uma grande vantagem estratégica, pois aquele que resolve cruzar um rio de divisa acaba se expondo demais

Exemplos – O Danúbio, na Europa, desenha fronteiras entre dez países diferentes. O território da Gâmbia se limita às margens do rio homônimo

Montanhas
Cordilheiras formam uma excelente barreira de defesa e ajudam a demarcar limites com facilidade

Exemplos – As montanhas Dângrêk são disputadas entre Camboja e Tailândia. A Cordilheira do Condor já provocou um conflito armado entre Peru e Equador

Lagos
Os maiores do mundo separam vários países simultaneamente. As disputas acontecem na navegação e na exploração comercial

Exemplos – O Khanka marca a divisa entre China e Rússia. E o Lago Vitória separa Uganda, Tanzânia e Quênia
  •  A CIA estima que há hoje 189 regiões com disputas territorias
Mares
Formam divisões óbvias entre países. Mas penínsulas e braços contínuos de praia podem representar problemas diplomáticos
Foto: Abril Comunicações S.A.
Exemplos – O Estreito de Gibraltar é disputado há séculos por Reino Unido (que controla um território na região) e Espanha. Chile e Peru não se entendem sobre suas fronteiras marítimas. Em alto-mar, as ilhas Spratly são um cabo de guerra entre China, Taiwan, Filipinas, Vietnã, Malásia e Brunei

BRIGAS FEIAS
Foto: Abril Comunicações S.A.

Foto: Abril Comunicações S.A.
Oito tretas das quais você nunca ouviu falar

Point Roberts – Estados Unidos x Canadá
Bir Tawil – Egito x Sudão
Ilhas Kuril – Rússia x Japão
Liberland – Croácia x Sérvia
Montanhas Baekdu – Coreia do Norte x China x Coreia do Sul
Treriksröset – Suécia x Noruega x Finlândia
Rio San Juan – Costa Rica x Nicarágua
Ibiapaba – Ceará x Piauí
Foto: Abril Comunicações S.A.


Fonte: msn - originalmente publicado em http://www.msn.com/pt-br/noticias/curiosidades/como-%C3%A9-dividida-uma-fronteira/ar-AApbQKL?li=AAa3oYv&ocid=spartanntp



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia