Pular para o conteúdo principal

Mensalidade em universidade pública divide opiniões em debate na Câmara



A cobrança de mensalidades em universidades públicas colocou em lados opostos deputados, estudantes, professores e especialistas, que foram ouvidos em audiência pública da Comissão de Educação, nesta terça-feira (22).

A cobrança a alunos que têm condições financeiras para pagar é vista como uma das possíveis saídas para a atual situação de crise financeira das universidades federais e estaduais de ensino superior. Em sua maioria, essas instituições, faltando pouco mais de quatro meses para o fim do ano, já comprometeram quase a totalidade do orçamento de 2017 com pagamento de pessoal e estão sendo obrigadas a cortar despesas de serviços – como os terceirizados de limpeza e segurança.

Os críticos da proposta apontam que a cobrança não resolve o problema orçamentário e que não há garantias de que o valor arrecadado seria destinado ao ensino.

A audiência pública foi feita a pedido do deputado Caio Nárcio (PSDB-MG). “Temos que enfrentar este assunto e encontrar alternativas de financiamento, e não considerar o tema tabu”, disse.

A cobrança de mensalidade dos alunos que podem pagar foi defendida pelo coordenador do Movimento Brasil Livre (MBL), Kim Kataguiri. “O sistema público superior é uma máquina de transferência de renda dos pobres para os ricos, e quem é contra a cobrança de mensalidade está defendendo que se perpetue essa desigualdade”, disse.

Kataguiri propõe a concentração dos recursos públicos na educação básica, e não no ensino superior. “O problema estrutural do Brasil é a educação básica, e os últimos governos aumentaram quatro vezes o investimento no ensino superior, sem qualquer resultado em termos de qualidade”, disse.

Propostas
Especialistas que participaram do debate também defenderam a cobrança. Naercio Menezez, professor da Universidade de São Paulo (USP), apresentou dados, segundo os quais, os alunos da rede pública federal têm renda familiar per capita média de R$ 1,5 mil, bem maior que a do restante da população – que é de R$ 1 mil. “O sistema é injusto: alunos de famílias ricas estudam em escolas privadas no ensino médio e entram em universidades públicas”, afirmou.

Manezez fez uma proposta para permitir a cobrança a esses alunos: eles teriam que pagar uma mensalidade igual à que pagavam no ensino médio. “Se metade dos alunos da USP pagasse R$ 2 mil por mês, isso resolveria metade do orçamento da universidade.”

Bruno Coimbra, assessor jurídico da Associação Brasileira de Mantenedoras do Ensino Superior (Abmes), entidade que reúne as universidades privadas, também defendeu a proposta. “Tributar aqueles que podem pagar e permitir que todos frequentem a universidade parece correto”, disse.

Em março, a Câmara rejeitou a Proposta de Emenda à Constituição 395/14, que autorizava universidades públicas e institutos federais a cobrar por cursos de extensão e pós-graduação lato sensu (especializações). A PEC autorizava a cobrança pelos cursos a critério de cada universidade.

Críticas
A cobrança foi criticada por Marianna Dias, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), para quem essa forma de financiamento não resolve os problemas. Ela atribuiu a crise atual aos efeitos da Emenda Constitucional 95, que limita os gastos públicos por 20 anos, promulgada ano passado pelo Congresso. A emenda permite apenas a correção dos gastos pela inflação do ano anterior.

Para Marianna Dias, os governos Dilma Rousseff e Luiz Inácio Lula da Silva ampliaram o número de pessoas pobres nas universidades, por meio de cotas e bolsas, sem a necessidade de cobrar mensalidade.

Como alternativa à cobrança, ela sugeriu a criação do Imposto sobre Grandes Fortunas e progressividade da cobrança do Imposto de Renda. “Injustiça e desigualdade é o pobre pagar mais imposto que o rico”, disse.

Números do Pnad
A professora Cristina Helena Carvalho apresentou dados que reforçam a afirmação de que aumentou o número de alunos de baixa renda nas universidades públicas a partir de 2004. Ela apresentou resultados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), que dividiu a população em cinco faixas de renda: o número de alunos das três faixas mais pobres nas instituições públicas subiu de 18,6% em 2004 para 38,3% em 2014.

Carvalho criticou propostas como o Projeto de Lei 782/15, do ex-senador Marcelo Crivella, que permite cobrança de mensalidade dos alunos que têm renda familiar superior a 30 salários mínimos. Segundo ela, o pagamento só dos mais ricos aumentaria em apenas 4% os recursos das universidades.

A professora também defendeu a progressividade da cobrança do Imposto de Renda para solucionar a crise de financiamento das universidades. “A saída é tributar mais para quem tem mais capacidade de pagamento, e não usar a universidade para resolver o problema”, disse. (Fonte: Agência Câmara Notícias).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr

Fuso Horário

FUSO HORÁRIO Cada um dos vinte e quatro setores esféricos em que se considerou dividida a superfície terrestre. Cada fuso horário é delimitado por dois semimeridianos que distam entre si 15°. Dentro de cada fuso horário convencionou-se existir a mesma hora (hora legal). Sempre que é necessário o traçado dos fusos é alterado, respeitando as fronteiras dos países, para que exista uma só hora dentro de cada estado. A Terra tem 24 fusos horários. O Meridiano de Greenwich (0°) é o marco inicial. Tendo Greenwich como referência, as localidades a leste apresentam horas adiantadas e as localidades a oeste registram horas atrasadas em relação a ele. Fuso Horário no Brasil O território brasileiro, por se encontrar no hemisfério ocidental, possui o seu horário atrasado em relação ao meridiano de Greenwich. Além disso, em razão de o país possuir uma ampla extensão (leste-Oeste), seu território é dividido administrativamente em quatro fusos horários, cuja demarcação oficia