Pular para o conteúdo principal

O que sobrou do comunismo



O que sobrou do comunismo



 Foto: Fidel Castro sobe ao poder em Cuba a 1 de Janeiro de 1959 Reuters

Passou um século desde que os comunistas subiram ao poder pela primeira vez. Aconteceu na Rússia, cambaleante após três anos de guerra mundial e oito meses decorridos da deposição do czar Nicolau II. Fora da Rússia, poucos achavam que o governo comunista conseguiria durar muito tempo. Mas o facto é que a Revolução de Outubro esteve na vanguarda – para usar uma palavra querida ao comunismo – de um movimento à escala mundial, que inspirou milhões de pessoas e repeliu ainda mais.

Em teoria, o comunismo puro implicaria a propriedade comum dos meios de produção e um enfraquecimento do Estado. Pouco surpreendentemente, tal nunca foi alcançado. Mas a ideologia que prometia derrubar o poder do capital e as distorções que a acumulação de capital provocava na sociedade atraiu seguidores por todo o mundo, desde Cuba à Coreia. Os seus adeptos convenceram-se de que a construção do comunismo implicava o desenraizamento dos ideais capitalistas e a purga dos que se mantinham fiéis a um pensamento burguês ou contra-revolucionário. Na demanda pela construção de um futuro comunista, milhões de pessoas foram feitas prisioneiras, e milhões mais morreram de fome ou executadas.

Até que tudo começou a desmoronar-se, pela mão do cinismo, da exaustão e das inevitáveis comparações com as prósperas economias de mercado do Ocidente. O comunismo à escala mundial foi o inimigo mais temível da América nas décadas centrais do século XX. Mas desde 1989 os países, um após o outro, foram ou abandonando inteiramente o comunismo ou empurrando-o discretamente para o lado, em busca dos mercados. Hoje, existe apenas nas suas formas mais ténues. Entre os países comunistas que restam, a Coreia do Norte é o único resistente feroz, mas até mesmo aí os mercados têm vindo a mudar a natureza da economia.

Apresentamos aqui uma linha temporal com os momentos marcantes na história centenária do comunismo no poder, um registo de um movimento que procurava a revolução mundial, a industrialização em grande escala e a criação de uma nova forma de sociedade. Cresceu a partir de uma revolta urbana no noroeste da Rússia, espalhou-se por todo o mundo, entrou em putrefacção e, finalmente, foi desaparecendo como o gelo dos rios durante o degelo da primavera.

7 de Novembro de 1917

A Grande Revolução de Outubro

Os bolcheviques, uma facção revolucionária marxista liderada por Vladimir Lenine, tomam o poder na Rússia (o golpe deu-se a 25 de Outubro, no antigo calendário russo, daí o nome). Após uma guerra civil brutal, os bolcheviques estabeleceram a União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS), o primeiro governo comunista do mundo. Os soviéticos tinham como objectivo exportar o comunismo para outras grandes nações industriais, o que fez deles párias entre os países capitalistas.

30 de Junho de 1929

Fundação de Magnitogorsk

O líder soviético Estaline ordenou a construção de uma nova cidade que abrigasse as maiores indústrias de ferro e de aço da União Soviética. A medida fazia parte de um plano de cinco anos para libertar a Rússia da economia feudal e agrícola, transformando-a num gigante industrial. Magnitogorsk, nos Montes Urais, foi construída com a ajuda de engenheiros americanos e inspirada em Gary, no estado norte-americano do Indiana. Tornou-se um ícone das conquistas económicas soviéticas. Mas a economia soviética tinha um lado negro: uma grande fome atingiu a Ucrânia, e milhões de homens e mulheres desapareceram nos gulags. O trabalho forçado dos prisioneiros foi usado para construir canais, cortar madeira e extrair carvão.



Foto: Tropas soviéticas sinalizam a vitória na batalha de Estalinegrado, em finais de Janeiro princípios de Fevereiro de 1943 Reuters

9 de Maio de 1945

Vitória sobre a Alemanha nazi

Os soviéticos foram quem mais sofreu com a II  Guerra Mundial na Europa. O seu triunfo final foi desde então explorado como um momento de glorificação e legitimação da URSS – e da Rússia que lhe sucedeu. No final da guerra, Moscovo estabeleceu regimes comunistas amigáveis em toda a Europa Oriental, criando aquilo a que Winston Churchill chamou de Cortina de Ferro, e dando início à Guerra Fria.

1 de Outubro de 1949

Mao declara a vitória comunista na China

O longo conflito entre nacionalistas e comunistas acabou com uma quase total vitória comunista. Mao Tsetung, líder do Partido Comunista, foi recebido em Moscovo como o tribuno do comunismo asiático. Mas não passou muito tempo até que as tensões levassem a uma ruptura, separando os dois países mais importantes do comunismo. Ao longo das décadas seguintes, milhões de chineses viriam a morrer de fome e em campos de trabalho.


Foto: Mao Tsetung proclama a criação da República Popular da China a 1 de Outubro de 1949 Reuters

27 de Julho de 1953

Guerra da Coreia termina num impasse

Com a derrota do Japão na II Guerra Mundial, a Coreia tinha sido dividida entre o Norte Comunista, sob a alçada da União Soviética, e o Sul, aliado dos países ocidentais. A Guerra da Coreia estalou em 1950, colocando os coreanos uns contra os outros e arrastando consigo os Estados Unidos e seus aliados de um lado, e a China comunista do outro. A guerra terminou num impasse, embora até hoje a Coreia do Norte declare ter saído vitoriosa.

4 de Novembro de 1956

União Soviética esmaga a revolta na Hungria

Após a morte de Estaline em 1953, a ascensão de Nikita Khrushchev a líder soviético parecia anunciar uma diminuição da repressão. Resistentes húngaros, ansiosos para se libertarem do domínio de Moscovo, lideraram uma revolta que levou ao colapso do seu governo. O presidente Dwight Eisenhower elogiou-os, mas os Estados Unidos assistiram impávidos quando o exército soviético entrou no país e esmagou a rebelião.

1 de Janeiro de 1959

Fidel Castro sobe ao poder em Cuba

Castro e os seus revolucionários desceram das montanhas e derrubaram o regime corrupto de Fulgêncio Batista, que tinha fortes ligações ao crime organizado americano. No início, Castro estava disposto a lidar com os Estados Unidos, mas confrontado com a hostilidade americana, rapidamente procurou apoio em Moscovo. Foi um choque para os líderes americanos o estabelecimento de um regime comunista no hemisfério ocidental.

30 de Abril de 1975

A queda de Saigão

A guerra sangrenta e prolongada no Vietname, que tinha destruído a presidência de Lyndon Johnson e contribuído para a queda de Richard Nixon, terminou com uma vitória comunista. Saigão foi rebaptizada, passando a chamar-se Ho Chi Minh. O comunismo global estava no seu ponto mais alto da História, embora na época poucos suspeitassem disso.

31 de Agosto de 1980

Na Polónia, surge a Solidariedade

O primeiro sindicato independente na Europa Oriental do pós-guerra foi criado num estaleiro em Gdansk, e liderado pelo electricista Lech Walesa, entre outros. No início, o governo de Varsóvia tentou negociar com o sindicato, mas pouco depois a união sindical foi ilegalizada. Mas nunca chegou a desaparecer, e viria a ressurgir no ano fundamental de 1989.

4 de Junho de 1989

Protestos na Praça da Tiananmen esmagados

Os manifestantes pró-democracia ocuparam a praça central de Pequim, inspirados por um programa de mudanças que os líderes chineses vinham cautelosamente a implementar. Mas revelou-se uma provocação demasiado grande para o governo comunista, que enviou tropas e tanques para controlar a praça. Centenas de pessoas, talvez milhares, perderam a vida. A lição foi aprendida, e desde então não voltou a acontecer nada parecido na China.


Foto: Protestos na Praça Tiananmen em Junho de 1989 Reuters

9 de Novembro de 1989

Queda do Muro de Berlim

Cinco meses depois, o líder soviético Mikhail Gorbachev comunicou ao governo comunista da Alemanha de Leste que Moscovo - preocupado com o declínio económico e o esvaziamento do fervor ideológico - não viria em sua ajuda para fazer frente aos crescentes protestos populares. A Solidariedade já estava presente no governo da Polónia, e na Hungria assistia-se a um êxodo para a fronteira com a Áustria. Mas quando o Muro caiu e os berlinenses se reuniram em alegres manifestações, ficou claro para o mundo que a era comunista na Europa Oriental tinha acabado.

19 de Agosto de 1991

O golpe falhado em Moscovo assinala o fim da URSS

Os soviéticos da “linha dura” tentam derrubar Mikhail Gorbachev, por medo de que suas políticas de glasnost e perestroika - abertura e reestruturação - colocassem o país em risco de se desmoronar. O seu fracasso deu um grande impulso ao principal político anti-comunista russo, Boris Yeltsin, e levou à ilegalização do Partido Comunista algumas semanas depois. Efectivamente, a União Soviética desmoronou-se, e deixou de existir a 25 de dezembro de 1991.


Foto: Queda do Muro de Berlim em Novembro de 1989 Reuters

16 de Agosto de 2010

Economia chinesa ultrapassa a do Japão

Os resultados apresentados neste dia pelo governo chinês mostraram que a China tinha ultrapassado o Japão, tornando-se a segunda maior economia do mundo. O progressivo afastamento de Pequim do marxismo, em favor de um capitalismo centrado no estado, estava em andamento já há duas décadas, e apresentava agora resultados incríveis.

3 de Setembro de 2017

Pyongyang diz que pode atacar EUA com bomba de hidrogénio

Três gerações de liderança da família Kim transformaram a Coreia do Norte num estado-pária, mais parecido com uma monarquia do que com uma nação verdadeiramente comunista. A introdução de algumas reformas - embora em menor escala do que na China ou no Vietname - ajudou a economia. Mas a hostilidade em relação ao Ocidente, nomeadamente aos Estados Unidos, tem vindo a acentuar-se. A Coreia do Norte vê as armas nucleares como o único meio de manutenção da sua soberania, diante do que chama de agressão americana. Cem anos depois de Lenine ter chegado ao poder na Rússia, é o reduto mais problemático do comunismo.

Fonte: www.publico.pt | Original aqui - acesso em 07/11/2017.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…