Pular para o conteúdo principal

Ofensiva na Síria repercute no Congresso norte-americano




Foto: skeeze/Pixabay 
Na política interna norte-americana, representantes dos dois partidos majoritários – republicanos e democratas – reagiram ao ataque aéreo lançado pelos Estados Unidos, em conjunto com a França e o Reino Unido, sobre alvos sírios com potencial químico. De modo geral, democratas questionaram o modus operandi escolhido pelo presidente norte-americano, Donald Trump, e o fato de a decisão ter sido tomada antes de passar por uma consulta ao Congresso. Os republicanos, entretanto, mostraram-se mais favoráveis.

O líder da minoria no Senado, o democrata Chuck Schumer, afirmou no Twitter que vê de maneira positiva um ataque para punir e impedir que o governo sírio use armas químicas, mas demostrou receio com o agravamento da situação. "Uma ação pontual e limitada para punir e impedir que Assad [presidente sírio, Bashar Al Assad] faça isso novamente é apropriada, mas a administração precisa tomar cuidado para não nos levar a uma guerra maior e mais complicada na Síria", ponderou.

A deputada Nancy Pelosi, líder democrata na Câmara de Representantes (órgão similar à Câmara dos Deputados brasileira), uma crítica ferrenha da gestão Trump, foi menos receptiva. Também na rede social Twitter, afirmou que, embora "o mais recente ataque de armas químicas contra o povo sírio" tenha sido "um crime de guerra brutalmente desumano", uma "noite de ataques aéreos não substitui uma estratégia coerente".

Muitos republicanos elogiaram a ação conjunta, respaldando a decisão de um ataque como resposta ao suposto uso de armas químicas pelo regime de Assad. O Partido Republicano escreveu no Twitter que a "barbárie de Assad não pode mais ser tolerada", e que Estados Unidos e seus aliados atacaram em consequência às ações do governo sírio. Até mesmo republicanos críticos da gestão Trump reagiram de maneira positiva. O senador John McCain, um dos nomes eloquentes do partido, que lutou contra a extinção do Obamacare (sistema de saúde criado pelo governo Obama) recentemente, elogiou o ataque.

"Aplaudo o presidente por tomar uma atitude militar contra o regime de Assad e estou agradecido aos britânicos e franceses por entrarem conosco em ação", afirmou na sua conta no Twitter.

Consulta ao Congresso


Vários democratas questionaram a legalidade do ataque, uma vez que o Congresso dos Estados Unidos não foi consultado.  O senador Tim Kaine, da Virgínia, afirmou que "a decisão de Trump de lançar ataques aéreos contra a Síria sem a aprovação do Congresso é ilegal". E completou no Twitter: "Precisamos parar de dar aos presidentes um cheque em branco para travar uma guerra. Hoje é a Síria, mas o que o impedirá de bombardear o Irã ou a Coreia do Norte depois?"

Os republicanos, entretanto, divergiram. O deputado Thomas Massie, do Kentucky, afirmou que a consulta não é necessária. "Eu não li a Constituição da França ou da Grã-Bretanha, mas li a nossa e lá fala da autoridade presidencial para atacar a Síria."

De um modo geral, parlamentares de ambos os partidos afirmaram que a decisão tem respaldo constitucional, uma vez que a última atualização sobre o tema, de 2001, concede ao presidente autoridade para usar a força militar sem aprovação do Congresso.


Assad afirma que ataque não afetará determinação síria contra "terrorismo"

Foto/Reprodução Wikimedia Commons

O presidente da Síria, Bashar al Assad, afirmou hoje (14) que o ataque realizado ontem à noite por Estados Unidos, Reino Unido e França contra a Síria não vai enfraquecer a determinação de seu país na guerra contra opositores chamados por ele de "terroristas".

Segundo a agência de notícias estatal síria Sana, Assad conversou por telefone com o presidente do Irã, Hassan Rohani, para explicar detalhes do ataque, que, segundo ele, representa "um reconhecimento das forças ocidentais coloniais de seu apoio ao terrorismo".

O líder sírio afirmou que as potências ocidentais perderam a credibilidade em relação a seus próprios povos e ao mundo e ressaltou que o ataque ocorreu "como consequência do fracasso dos terroristas em cumprir os objetivos desses países".


Ainda de acordo com a Sana, Rohani reiterou o apoio do Irã à Síria e condenou o ataque.



Fonte: EBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…