Pular para o conteúdo principal

O desafio da qualidade na educação

O Diálogo Brasil desta segunda-feira reúne dois doutores em educação para debater a qualidade do ensino no país, que, segundo estudo recente do Instituto Paulo Montenegro, feito em parceria com a ONG Ação Educativa, ainda tem cerca de 38 milhões de analfabetos funcionais. Ou seja, três em cada dez brasileiros com idades entre 15 e 64 anos têm dificuldades para lidar com letras e números no dia a dia.
No programa, o professor aposentado da Universidade de Brasília (UnB) Erasto Fortes, que foi membro do Conselho Nacional de Educação e presidiu a Câmara de Educação Superior, faz um histórico da evolução do ensino no país desde o Brasil Colônia. E lembra que, pela Constituição de 1988, que este ano completa 30 anos, o analfabetismo deveria estar erradicado há duas décadas. “Nós temos uma dívida social com a educação brasileira que é impagável no período de um governo”, avalia.

“Para recuperar esse tempo perdido, nós temos que ter políticas de Estado. Gestão, que é fundamental, e, claro, avaliação mais investimento”, reitera o conselheiro do Movimento Todos pela Educação e professor da Universidade Católica de Brasília,Célio da Cunha, que foi coordenador editorial e assessor especial da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). “É uma questão política hoje erguer à altura de uma política de Estado a área da educação”, insiste ele, criticando cortes de verbas e observando serem os momentos de crise a “hora da prova dos nove para saber se o país prioriza ou não a educação”.
Para Célio da Cunha, a tarefa demanda um ministro da Educação forte, com destacada autoridade no Estado, nos moldes que preconizava o filósofo grego Platão em A República. Ele lamenta que nem o piso salarial dos professores - instituído em 2008, e que não chega a R$ 2,5 mil este ano, para uma jornada de 40 horas semanais – é cumprido por todas as unidades da Federação. A propósito, diz o professor Erasto Fortes que “até as pastorinhas do frevo” sabem da desvalorização do magistério.
Fortes também critica a militarização da gestão de algumas unidades da educação pública país afora. Para ele, com o discurso de combater a violência nas escolas e melhorar a qualidade do ensino, o que está em andamento, na verdade, é um processo de conservadorismo e disciplinarização exagerados, inclusive com uniformes caros e cobrança de mensalidades. O professor defende que o caminho certo seria a adoção de um currículo estruturado com base no respeito aos direitos humanos e numa educação para a paz.
Também participam do programa, por meio de depoimentos em vídeo, o educador e ex-secretário de Educação de Pernambuco Mozart Neves Ramos, diretor de Articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna; a coordenadora do comitê da Campanha Nacional pelo Direito à Educação no Distrito Federal, professora Catarina de Almeida; e o professor da Faculdade de Educação da UnB Luiz Araújo. O Diálogo Brasil vai ao ar toda segunda-feira, pela TV Brasil, sempre às 22h15.
Fonte: EBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…