Pular para o conteúdo principal

Educação de gênero na escola previne feminicídios, dizem especialistas


Foto: Pixabay
A educação para a igualdade de gênero nas escolas é essencial na prevenção da violência contra a mulher. A afirmação é da subprocuradora-geral da República, Luiza Cristina Frischeisen. “É impossível chegar a patamares razoáveis de violência sem que nas escolas, desde a educação infantil, haja um preparo para a igualdade de gênero”, disse ela durante audiência pública no Senado sobre os 12 anos da Lei Maria da Penha.
Para a subprocuradora, o machismo ainda é naturalizado no Brasil e pode evoluir para violência psicológica, lesão corporal e até homicídio. “Muito da violência doméstica está aliada à perspectiva de que o homem é dono da sua mulher, filha, da entenda, da sobrinha, daquela menina que tá no ponto de ônibus, na escola... Há que se ter educação de gênero e isso começa na escola e passa para a família, para que as meninas sejam consideradas sujeitos de direito e não coisas”, ressaltou.


Outro ponto que precisa de atenção, na opinião de Luiza Cristina, é a formação de abrigos e de núcleos especializados, com delegados, defensores e equipes treinadas para receber a mulher e os filhos. “É essencial fazer o atendimento na primeira denúncia, dar importância para o relato e adotar medidas protetivas. A criminalização é muito importante porque indica para a comunidade e para o réu que aquilo [a violência] não é normal, que é crime e que ele precisa ser punido”, disse.
Ela explicou que toda a comunidade precisa estar envolvida na prevenção à violência contra a mulher, em todos os seus níveis, inclusive no ambiente de trabalho. Para Luiza, é necessário o envolvimento dos empregadores para coibir assédios e “ações que são consideradas brincadeiras”. “Há coisas que não são mais toleráveis e todo mundo precisa saber disso”, ressaltou.
Luiza Frischeisen destacou ainda a importância de dar credibilidade ao depoimento das vítimas, mulheres e meninas. E nesse aspecto, a escola também é importante, segundo a subprocuradora. “Se a escola fala de educação sexual e igualdade de gênero, uma criança que começa a ser abusada com seis ou sete anos, vai saber que aquilo não é normal. São assuntos difíceis, mas imprescindíveis para a escola e as famílias”, disse.

Plataforma para educação em direitos humanos

Por isso, o Ministério da Educação (MEC) está desenvolvendo uma plataforma para a educação básica que trata de direitos humanos e igualdade, incluindo igualdade de gênero. Para a diretora substituta de Políticas de Educação em Direitos Humanos e Cidadania do MEC, Patrícia Laudry Mollo Vieira, educação em diretos humanos tem que ser entendida como processo formativo e o combate ao preconceito e discriminação em relação às mulheres é centrado na valorização da diversidade.
A plataforma vai funcionar como um espaço aberto de conteúdo digital destinado a qualquer cidadão. Mas, segundo Patrícia, a fala é direcionada à comunidade escolar e às famílias, com texto leve, de fácil compreensão, mas sem ser superficial. Ela será composta por módulos formativos. Um deles vai tratar sobre diversidade na escola e questões de preconceito, discriminação e bullying; outro sobre o que é educação e direitos humanos, como aparece no cotidiano; e um terceiro sobre mediação de conflitos, como eles são importantes para levantar questões e como podem ser encaminhados na escola.
A plataforma estará acessível no site do MEC e a previsão é que seja lançada até dezembro deste ano.
Patrícia conta que, em 2016, foi firmado o Pacto Universitário de Educação em Direitos Humanos, para realizar atividades educativas de promoção e defesa dos direitos humanos, incluindo direitos das mulheres. Hoje, ele conta com a adesão de 154 instituições de ensino superior.

Maria da Penha

Sancionada em 7 de agosto de 2006, a Lei 11.340 representa um marco para a proteção dos direitos femininos ao endurecer a punição por qualquer tipo de agressão cometida contra a mulher no ambiente doméstico e familiar. Fruto dessa lei, o crime do feminicídio foi definido legalmente em 2015 como assassinato de mulheres por motivos de desigualdade de gênero e tipificado como crime hediondo.
A lei leva o nome de Maria da Penha Maia, que ficou paraplégica depois de levar um tiro de seu marido. Até o atentado, Maria da Penha foi agredida pelo cônjuge por seis anos. Ela ainda sobreviveu a tentativas de homicídio pelo agressor por afogamento e eletrocussão.
Segundo o Mapa da Violência, quase 5 mil mulheres foram assassinadas no país, em 2016. O resultado representa uma taxa de 4,5 homicídios para cada 100 mil brasileiras. Em dez anos, houve um aumento de 6,4% nos casos de assassinatos de mulheres.
De acordo com pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), no ano passado, os tribunais tinham em estoque quase 1 milhão de processos relacionados à violência doméstica. Quando se considera os crimes de feminicídio, havia mais de 10 mil processos pendentes em 2017, mais do que o dobro do registrado em 2016.
Fonte: EBC

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas. Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais. População da Rússia Densidade demográfica 8,8 hab/km² Homens 66.644.047 habitantes Mulheres 76.812.871 habitantes População residente em área rural 26,08 % População residente em área urbana 73,92 % População total 143.456.918 habitantes Taxa bruta de mortalidade 15 por mil Taxa bruta de natalidade 12 por mil Taxa média anual do crescimento da população 0,042 % População do Canadá Densidade demográfica 4 hab/km² Homens 17.826.268 habitantes Mulheres 18.113.659 habitantes População residente em área rural 18,35 % População residente em área urbana 81,65 % População total 35.939.927 habitantes Taxa bruta de mortalidade 8 por mil Taxa