Pular para o conteúdo principal

A Geografia Escolar na perspectiva do Urbano e da Cidade

Foto: Pixabay / Saigon, Favelas, Ásia


A Geografia Escolar na perspectiva do urbano e da cidade é um título contestável que poderia ser confrontado pela indicação de uma redação diferente, como por exemplo, "O urbano e a cidade no contexto da Geografia Escolar". Essa inversão, aparentemente simples, traz elementos de como a condução dos tratamentos pedagógicos serão ou poderão ser conduzidos. No primeiro caso se trata da Geografia Escolar sob influência da dinâmica do urbano e da cidade e, no segundo, é a cidade e o urbano dentro de uma possível leitura, ou leituras, a partir da Geografia Escolar. Arriscando uma abordagem mais ampla, as duas perspectivas são válidas.

De qualquer modo temos três importantes termos para a compreensão dos seus conceitos no trabalho do professor de Geografia na sala de aula, a saber: o urbano, a cidade e a geografia escolar. Não se pode afirmar a existência de uma definição única para quaisquer um desses conceitos, mas uma definição se faz necessária em virtude dos desdobramentos que as propostas de reflexões didático-pedagógicas nos obrigam a buscar. Assim, a compreensão sobre o que é a Geografia Escolar nos revela que apesar da Geografia Acadêmica e da própria Geografia Escolar serem estruturações de um mesmo campo científico, com forte aproximações, essa relação não é de identidade. Colocando em aspectos práticos vale a afirmação de que a Geografia Escolar não é uma simplificação da Geografia Acadêmica no ensino básico, pois a ela, reconhece-se uma construção própria.


A Geografia Escolar existe pelo fato da relação pedagógica entre o professor desta disciplina
e a existência da própria instituição de ensino que por definição legal se realiza no âmbito do Ensino Básico. Cavalcanti (2008) faz as seguintes observações sobre a Geografia Escolar

1. a geografia escolar não se identifica com a geografia acadêmica, ainda que não possa dela se distanciar; ela é referência fundamental, é fonte de sua legitimidade;

2. a geografia escolar não é a geografia acadêmica estruturada segundo critérios didáticos e
psicológicos, ainda que estes também sejam referenciais importantes. Com base nesses
critérios, constrói-se o saber geográfico a ser ensinado, estabelecendo em cursos de formação acadêmica, nas diretrizes curriculares, nos livros didáticos, o que não é ainda a geografia escolar;

3. a geografia escolar é o conhecimento geográfico efetivamente ensinado, efetivamente veiculado, trabalhado em sala de aula. Para sua composição [...] concorrem a geografia acadêmica, a geografia ‘didatizada’ e a geografia da tradição prática. Essa composição é feita pelos professores no coletivo, por meio do conhecimento que constroem sobre a geografia escolar. Esse conhecimento é extremamente significativo na concepção de que conteúdos da matéria ensinar. Nele têm papel relevante as crenças adquiridas no plano do vivido pelo professor como cidadão; o conjunto de concepções, crenças adquiridas na vida, incluindo aí a formação profissional universitária (a inicial e a continuada); as práticas sociais, as práticas de poder e a prática instituída na própria escola. (CAVALCANTI, 2008, p. 27-28).

As concepções teóricas da geografia no mundo contemporâneo, como parte da visão do mundo globalizado, Cavalcanti (2008, p. 16-17) considera a urbanização outra característica relevante, definindo as cidades de hoje como “locais complexos, que abrigam grande parte da população” para a autora as cidades “são expressão da complexidade e da diversidade da experiência humana, da história humana”. Assim, a relevância do estudo da cidade e do urbano no contexto da geografia escolar pode ser abstraída das ideias de autores como Callai (1988), Schäffer (2001) e Bado (2009). Outro entendimento que nos ajuda a desenvolver um alicerce pedagógico para essas discussões temáticas é considerar que a cidade inicialmente pode ser vista como o lugar do acontecer solidário (SANTOS, 2008, p. 166).

Nesse sentido fica evidente a importância do estudo do local, entendido aqui como o bairro, a cidade, ou o município, a própria compreensão desses conceitos e suas espacialidades são importantes na formação do pensamento geográfico escolar.

Referências:

BADO, Sandra Regina de Lima. Desafio da geografia: a cidade como conteúdo escolar no ensino médio. Porto Alegre: UFRGS/PPGEA, 2009. Tese (doutorado) disponível em <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/16657/000704137.pdf ?sequence=1> Acesso em: 26/02/2011.

CAVALCANTI, Lana de Souza. A geografia escolar e a cidade: Ensaios sobre o ensino de geografia para a vida urbana cotidiana. Campinas: Papirus, 2008.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: Técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2008.

SIQUEIRA, Santiago Alves de. A cidade, o urbano e a geografia escolar : reflexões a partir de práticas pedagógicas no ensino fundamental de Florianópolis/SC. Florianópolis, 2012.

SCHÄFFER, Neiva Otero. A cidade nas aulas de geografia. In: CASTROGIOVANNI, a. c.; callai, H. C.; SCHÄFFER, N. O.; KAERCHER, N. A.; (Org.). Geografia em sala de aula: práticas e reflexões. 3ª ed. Porto Alegre: ed. da UFRGS/AGB, 2001.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…