Pular para o conteúdo principal

Escolas: para garantir segurança, psicólogos e não armas

Especialistas pedem psicólogos nas escolas para garantir segurança

Desde 2002 foram oito ataques em escolas brasileiras, nos quais alunos ou ex-alunos armados atiraram contra estudantes e funcionários. Nos Estados Unidos, no mesmo período, houve 160 ataques
Deputados e especialistas defenderam a presença de orientadores educacionais nas escolas para conter a violência

Deputados e especialistas pediram presença de psicólogos, e não de armas, nas escolas, para garantir a segurança de alunos e professores, em audiência pública na Comissão de Educação da Câmara dos Deputados nesta quinta-feira (28).
“Eu troco uma arma por um orientador educacional. Eu troco uma bala por um apoio de um psicólogo”, afirmou o deputado Professor Israel Batista (PV-DF), autor do pedido de audiência. Preocupado com o recente atentado a estudantes e professores em uma Escola Estadual Professor Raul Brasil no município de Suzano (SP), o parlamentar solicitou o debate para conter o que chama de “epidemia de violência nas escolas”.
A deputada Tabata Amaral (PDT-SP) acredita que o professor não pode ter arma, porque não pode ser responsável pela segurança, como defenderam alguns parlamentares após o massacre de Suzano. Para ela, o professor precisa de apoio de psicólogos. “Não é luxo, faz sentido até financeiro você ter na escola o profissional que dá apoio, que acompanha, isso é urgente e é para agora”, opinou.
Armas de fogo
Representante do Instituto Sou da Paz, Felippe Angeli manifestou preocupação com o controle de armas de fogo e munições no País. Ele citou levantamento feito pela entidade que mostra que os ataques às escolas no Brasil ainda são raros em comparação com outros países em que o acesso a armas de fogo é facilitado.

Segundo o levantamento, desde 2002, foram oito ataques em escolas brasileiras, nos quais alunos ou ex-alunos armados atiraram contra estudantes e funcionários. Em metade desses ataques, os atiradores utilizaram que estavam armazenadas em suas casas.
Nos Estados Unidos, no mesmo período, houve 160 ataques em escola. Conforme o especialista, um dos motivos para isso é o acesso facilitado a armas de fogo naquele País. “Nesse sentido, nos preocupam muito as medidas adotadas pelo atual governo no sentido de flexibilizar e aumentar o acesso a armas de fogo”, ressaltou.
Conforme Angeli, a maior parte das armas utilizadas em crimes têm origem legal, sendo desviadas de policiais ou de seguranças privados; em outros casos, vêm de cidadãos que compram legalmente a arma e têm sua arma perdida ou roubada.
Mais atenção 
O representante do Movimento Todos pela Educação, João Marcelo Borges, também se manifestou contrariamente às armas de fogo nas escolas e pediu apoio psicológico nas escolas. Para ele, o tema segurança nas escolas ainda é muito negligenciado nos debates educacionais, já que pesquisas apontam que a segurança na escola é uma grande preocupação dos pais e dos próprios alunos de escolas públicas desde a década de 90. 
Borges também citou pesquisa da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico em 2013, que apontou que, entre 34 países, o Brasil era aquele que registrava o maior número de agressão aos professores.

Para Borges, valorizar os professores é uma das formas de diminuir a violência nas escolas. Segundo ele, é o professor quem identifica, dentro da sala de aula, o aluno que está com problema, que está destoando dos demais. Ele também ressaltou a necessidade da profissionalização da gestão escolar. Ele observou que em 74% dos municípios brasileiros os gestores são indicados politicamente, sem nenhum critério técnico ou de experiência.
Papel dos pais
Já a professora Juliana Barbieri, autora de dissertação de mestrado sobre bulllying, se a sociedade não se unir às instituições de ensino, outros massacres acontecerão. “A questão toda é chamar o pai, a mãe, e não deixar nas mãos dos professores o papel que é de todos nós”, disse.

O deputado Igor Timo (Pode-MG), por sua vez, defendeu a presença de profissionais de segurança nas escolas. Ele criticou a iniciativa do governador de Minas Gerais, Romeu Zema, de retirar vigias das portas das escolas estaduais, sob o argumento de que a vigilância custa caro ao estado.
Fonte: Agência Câmara Notícias

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…