Pular para o conteúdo principal

Como a COVID-19 irá afetar as economias na América Latina e no Caribe?

A pandemia da COVID-19 ameaça a estabilidade macroenonômica na América Latina e no Caribe, região que possui importantes laços com a China, que deve ter uma ruptura no ritmo de crescimento econômico. A avaliação é do diretor regional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Luis Felipe López-Calva, em artigo de opinião.


A pandemia da COVID-19 ameaça a estabilidade macroenonômica na América Latina e no Caribe, região que possui importantes laços com a China, que deve ter uma ruptura no ritmo de crescimento econômico. A avaliação é do diretor regional do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Luis Felipe López-Calva, em artigo de opinião com dados do dia 12 de março.

Leia a análise completa:

A pandemia da COVID-19 é a nova forma em potencial de volatilidade e ameaça da estabilidade macroeconômica na América Latina e no Caribe. Enquanto ainda é muito cedo para entendermos completamente o impacto no crescimento econômico da China e como isso resultará na diminuição do crescimento em nossa região, o que sabemos até agora é que a COVID-19 está se espalhando de forma acelerada e causando uma ruptura no ritmo de crescimento chinês.

O vírus se espalhou para mais de 117 países, com mais de 117.335 casos confirmados*. É bem provável que o impacto no crescimento econômico da China e o preço das commodities representem um choque em nossa região.

A América Latina e o Caribe têm laços importantes com a China, as relações econômicas cresceram vertiginosamente nas décadas recentes, particularmente por meio do comércio, investimentos estrangeiros diretos e empréstimos.

O comércio com a China cresceu de 12 bilhões de dólares em 2000 para 306 bilhões de dólares em 2018, e o país já é o nosso segundo maior parceiro. Três anos atrás, representava 9% das exportações totais da América Latina e 18,4 % da importação total. No entanto, os números não são os mesmos em todos os países. A China, por exemplo, representa 28,1%  das exportações brasileiras, assim como 10,5% das exportações argentinas e 32,4% das exportações chilenas. Mesmo que a China importe principalmente produtos primários, como minérios e metais, produtos agrícolas e combustíveis, suas exportações consistem também em equipamentos elétricos e máquinas, produtos têxteis e químicos.

Os seis principais parceiros de comércio dos chineses na região são o Brasil, a Argentina, o Chile, o Peru, a Colômbia e a Venezuela, cujas exportações estão concentradas em quatro produtos, que representam 75%  das exportações da América Latina: cobre, soja, petróleo bruto e minério de ferro.

Investimentos diretos estrangeiros e empréstimos da China cresceram na última década. Entre 2005 e 2017, a China representava 5%  do investimento estrangeiro direto – mais de 90 bilhões de dólares. De acordo com o Centro de Políticas de Diálogos Interamericano, a China emprestou mais de 141 bilhões de dólares desde 2005, o que representa mais do que o Banco Mundial, o Banco Interamericano de Desenvolvimento e o Banco de Desenvolvimento da América Latina juntos. A Venezuela, de longe, é quem mais recebe esses empréstimos, com um total de 67,2 bilhões de dólares desde 2005, seguido do Brasil, com 28,9 bilhões de dólares, Equador com 18,4 bilhões de dólares e Argentina com 16,9 bilhões de dólares. Mesmo que a avaliação do impacto do coronavírus dependa principalmente de como a epidemia será contida, é esperada uma diminuição no crescimento do país no primeiro trimestre e uma recuperação nos meses seguintes. Enquanto a China tinha um crescimento estimado de 6% s para 2020, diversos analistas revisaram suas projeções para baixo, entre 5% e 4,5%. 

Esses choques certamente afetarão o comércio, os preços das commodities e o investimento direto estrangeiro na América Latina e no Caribe. Em termos de comércio, uma diminuição na demanda chinesa por bens e serviços terá forte impacto em países como Brasil, Chile e Peru. Argentina, Colômbia e Equador também sentirão o impacto em menor escala.

A história mostra que, na América Latina e no Caribe, a volatilidade é norma e não exceção, e que as trajetórias de desenvolvimento dos países não são lineares. A volatilidade veio à tona com a COVID-19, testando a resiliência aqui e na China e a habilidade de retornar a caminhos anteriores de desenvolvimento no menor tempo possível. Além do pânico disseminado, a COVID-19 é um chamado para a resiliência na América Latina e no Caribe.

Luis Felipe López-Calva é Diretor Regional do PNUD para a América Latina e o Caribe

(*) Artigo publicado originalmente em 12 de março de 2020.
Fonte: ONU - Brasil

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas.
Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar.
Caso você tenha feito uso dess…

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas.
O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados.Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras.As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; prev…

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas.

Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais.

População da Rússia
Densidade demográfica 8,8 hab/km²
Homens 66.644.047 habitantes
Mulheres 76.812.871 habitantes
População residente em área rural 26,08 %
População residente em área urbana 73,92 %
População total 143.456.918 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 15 por mil
Taxa bruta de natalidade 12 por mil
Taxa média anual do crescimento da população 0,042 %

População do Canadá
Densidade demográfica 4 hab/km²
Homens 17.826.268 habitantes
Mulheres 18.113.659 habitantes
População residente em área rural 18,35 %
População residente em área urbana 81,65 %
População total 35.939.927 habitantes
Taxa bruta de mortalidade 8 por mil
Taxa bruta de natalidade 11 po…