Pular para o conteúdo principal

5G OS MOVIMENTOS DOS ESTADOS UNIDOS E O CONTRA-ATAQUE CHINÊS

 


Em sua conta oficial no Twitter  a @EmbaixadaChina [Embaixada da China no Brasil] continua a se defender dos ataques que o governo americano, liderado pelo presidente Donald Trump, vem fazendo em relação aos supostos ataques cibernéticos que a China poderia fazer em países que adotassem sua tecnologia 5G.

    Não existe, até o momento, nenhuma comprovação que alguma empresa chinesa tivesse repassado algum bit de informação ao governo daquele país. E se os Estados Unidos colocam a China sob suspeita de usar sua tecnologia para fins de espionagem internacional, o que nos impedem de colocar sob suspeita empresas e o próprio governo estadunidense de ter intenções nada democráticas com a promoção de empresas e tecnologias da terra do Tio Sam?

    Para além das acusações, sem provas, de possível espionagem e tráfico de dados de segurança nacional o que essa disputa revela é a briga gigante pelo controle (e portanto poder) da tecnologia 5G que promete revolucionar o que hoje chamamos apenas de internet. O 5G, se confirmadas as expectativas, vai reformular o modo como cada um de nós interagimos não só com os telefones móveis, mas com todas as coisas e com as não coisas. Definitivamente o 5G não cabe mais na internet, o 5G é o prenúncio da jornada de dominação global e espacial extra-solar pela Inteligência Artificial (IA) e a República Popular da China desponta como Nação dominante desses primeiros passos em direção ao futuro da humanidade.

    Antes, porém, de viajar na velocidade que o 5G inicialmente nos possibilita entender ser possível e ganhar horizontes antes apenas sonhados, é preciso resolver questões internas de estruturas dominantes que não compreenderam que a história não pára. Ainda com tom pacifista a China deve compreender que o playboy, quando se vê acuado, sempre arruma uma briga para manter sua pose de valentão e seu domínio frente aos mais fracos.

    É preciso manter o rigor do discurso e a retidão dos interesses daqueles que, sozinhos, não conseguem se defender. A China se torna um exemplo de resistência no tabuleiro geopolítico, basta saber se o valentão não vai criar uma briga, como que uma necessidade para se manter em evidência.

    O texto, repito, presente na conta oficial do Twitter da Embaixada da China no Brasil, que publico logo abaixo, é exemplo que a China está pronta para a briga, bem como pronta para defender seus amigos e seus interesses, é claro.

   "A comunidade internacional não vai se esquecer do histórico sujo dos EUA na segurança cibernética, que tinham conduzido operações de espionagem massiva, organizada e indiscriminada contra os governos, empresas e indivíduos, entre eles os líderes dos países como o Brasil e das organizações internacionais. Tais ações dos EUA, que prejudicam a privacidade e segurança de outrem, são as verdadeiras ameaças à segurança cibernética do mundo. A comunidade internacional deve ficar alerta com a malevolência dos EUA de sacrificar o desenvolvimento dos outros países para buscar a superioridade dos seus próprios interesses, conter o crescimento dos países de mercados emergentes como a China e provocar intencionalmente fissuras entre a China e seus amigos.

    Sendo parceiros estratégicos globais e membros do G20 e do BRICS, a China e o Brasil compartilham amplos interesses comuns nos temas internacionais e regionais. A China tem sido o maior parceiro comercial do Brasil por 11 anos seguidos. É a maior fonte de superávit comercial e um dos principais investidores do Brasil. Os fatos mostram que a cooperação China-Brasil possui alta complementaridade e reciprocidade, e portanto, salvaguardar e desenvolver firmemente as relações bilaterais condizem com os interesses fundamentais e de longo prazo dos 2 países e povos. Temos a certeza de que as nossas relações não serão desviadas do trilho de desenvolvimento saudável e estável por qualquer interferência externa. O lado CHN está disposto a trabalhar junto com os diversos setores do BR para aumentar a confiança mútua, superar as diversas ingerências, expandir a nossa parceria tanto nas áreas tradicionais como nas emergentes, incluindo o 5G, além de continuar promovendo o desenvolvimento contínuo e aprofundado das relações sino-brasileiras, beneficiando ainda mais os nossos povos."




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Mapas mundi para usos múltiplos

Os trabalhos com mapas nas aulas de geografia são bastante importantes e a cartografia é uma linguagem já consolidada no auxílio das explicações geográficas, climatológicas e geológicas realizadas nas mais variadas situações didáticas. Neste post disponibilizo alguns mapa mundi com que o professor de geografia pode utilizar nas mais variadas situações de aprendizagens. O primeiro mapa é o mapa mundi político em preto e branco com possibilidades de usos diversos, como por exemplo, divisão em continentes, países centrais e periféricos, etc. O segundo mapa mundi possui tema específico para se trabalhar as coordenadas geográficas, sendo possível elaborar jogos para melhor compreensão desse contúdo e, por fim, o terceiro mapa mundi trata-se de um mapa mudo onde é possível trabalhar vários temas de acordo com o conteúdo selecionado. Este é um mapa que pode ser aberto em um editor de imagem (como o Paint do Windows) para preencher cada país com a cor que desejar. Caso você te

Proposta estabelece estratégia nacional para retorno às aulas

As diretrizes nacionais, definidas em acordo por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. O Projeto de Lei 2949/20 estabelece uma estratégia nacional para retorno às aulas durante a pandemia de Covid-19. A proposta, do deputado Idilvan Alencar (PDT-CE), tramita na Câmara dos Deputados. Pelo texto, União, estados e municípios devem organizar colaborativamente o retorno às atividades escolares, interrompidas com o Decreto Legislativo 6/20 que reconheceu a calamidade pública por causa da pandemia. A estratégia será definida por princípios, diretrizes e protocolos, respeitadas as orientações da Organização Mundial de Saúde (OMS) e das autoridades sanitárias brasileiras. As diretrizes nacionais, acordadas por todos os entes, servirão de referência para os protocolos de estados e municípios para o retorno às aulas. Elas deverão seguir princípios como atenção à saúde física e mental de profissionais de educação e estudantes; pr

Os cinco maiores países do mundo

Rússia, Canadá, China, Estados Unidos e Brasil são os cinco maiores países do mundo em extensão territorial. A semelhança fica somente no quesito tamanho do território, quando olhamos para alguns dados populacionais as diferenças podem ser bastantes significativas. Veja os dados populacionais de cada um desses gigantes territoriais. População da Rússia Densidade demográfica 8,8 hab/km² Homens 66.644.047 habitantes Mulheres 76.812.871 habitantes População residente em área rural 26,08 % População residente em área urbana 73,92 % População total 143.456.918 habitantes Taxa bruta de mortalidade 15 por mil Taxa bruta de natalidade 12 por mil Taxa média anual do crescimento da população 0,042 % População do Canadá Densidade demográfica 4 hab/km² Homens 17.826.268 habitantes Mulheres 18.113.659 habitantes População residente em área rural 18,35 % População residente em área urbana 81,65 % População total 35.939.927 habitantes Taxa bruta de mortalidade 8 por mil Taxa